COMO FAZER UMA PESQUISA SALARIAL?

Existem diversos tipos de pesquisas salariais. Entenda o tipo de pesquisa que se adequa melhor às suas necessidades para saber como fazer uma pesquisa salarial.

Há pesquisas baseadas em compartilhamento de informações por empresas, baseadas em amostragens e também pesquisas baseadas em dados compartilhados pelos próprios profissionais ou candidatos a emprego. E há uma nova geração de pesquisas, baseadas em novas técnicas de inteligência artificial e estatística. Entender como fazer uma pesquisa salarial é crucial para atingir seus objetivos.

PESQUISAS SALARIAIS BASEADAS EM INFORMAÇÕES COMPARTILHADAS POR EMPRESAS

Podemos dizer que esta é a forma mais tradicional de pesquisa salarial. Neste formato, um grupo de empresas se organiza para compartilhar informações sobre seus cargos e tabular resultados aos quais todos terão acesso posteriormente. Normalmente a principal dificuldade nestas pesquisas é que empresas concorrentes com muita frequência não querem participar da mesma pesquisa, ou concordarão em participar de forma parcial – não fornecendo as informações mais sensíveis de cargos chave, por exemplo.
Imagine fornecer seus dados a um concorrente que poderá fazer uma oferta melhor aos seus talentos? Então normalmente o que ocorre é que o perfil das empresas que aderem a estas pesquisas é bastante diverso. Apesar de que podem ser úteis para balizar informações sobre cargos comuns a todas as empresas, este tipo de pesquisa normalmente será ineficiente para obter informações sobre os profissionais mais raros, que poderiam ser comparados principalmente com concorrentes.
Pelo grau de informalidade com que são realizadas, muitas vezes estas pesquisas também podem ser falhas do ponto de vista metodológico, não embasando adequadamente a tomada de decisão do profissional de RH. Sem falar no tempo, pois o trabalho de encontrar empresas adequadas, coletar respostas tabulá-las e devolvê-las pode demorar alguns meses para ficar pronto.

PESQUISAS SALARIAIS BASEADAS EM AMOSTRAGENS

As pesquisas salariais baseadas em amostragens tipicamente pesquisam um conjunto de empresas e depois extrapolam os resultados para outras regiões ou mercados. No Brasil, há muitas consultorias que realizam pesquisas em São Paulo e Rio de Janeiro e depois procuram extrapolar os resultados para outros estados e regiões.
Há muitos problemas com esse tipo de pesquisa, pois os dados são ajustados para as realidades locais através de uma espécie de “deflator”. A questão é que diferentes regiões terão diferentes características de competividade de salários devido a inúmeros fatores: as atividades econômicas mais aquecidas da região, a demanda por trabalhadores e a sua qualificação e o custo de vida, por exemplo. Inclusive em um mesmo estado a diferença de salários entre regiões metropolitanas, polos regionais, pequenas e grandes cidades, pode ser bastante significativa.

PESQUISAS SALARIAIS BASEADAS EM INFORMAÇÕES COMPARTILHADAS POR TRABALHADORES

Muitas plataformas online utilizam como fonte de informação primária dados compartilhados por trabalhadores ou mesmo candidatos a emprego. Talvez estas pesquisas sejam as que tenham as maiores distorções de todas, pois não há nenhum tipo de checagem que garanta a veracidade dos dados. Basta uma pessoa cadastrar-se em uma plataforma e informar dados para que estas informações duvidosas sejam utilizadas como base para criação de estatísticas de mercado. Às vezes pode-se chegar ao extremo de termos a informação de uma cidade inteira baseada em dados de um ou dois trabalhadores, o que representa um risco muito grande de distorções nas estatísticas.

SOLUÇÃO: UMA PESQUISA SALARIAL UNIVERSAL

Imagine agora uma pesquisa salarial que conta com estimativas de salários de todos os trabalhadores do país, atualizada mensalmente, e com as estruturas de cargos de todas as empresas. Essa pesquisa tem o poder de um verdadeiro censo. Pois se você quiser saber os salários de determinado grupo de profissionais em uma cidade, você não precisará recorrer a acrobacias matemáticas. Basta separar esses profissionais e calcular as estatísticas sobre esse grupo em separado.

Apenas o Mercadômetro, por contar com os dados de todos os trabalhadores, possibilita ainda conhecer as realidades salariais considerando características específicas desses trabalhadores. No Brasil, com bastante frequência, vemos por exemplo analistas que não tem curso superior completo, o que pode ser considerado uma distorção. Agora imagine que você queira saber as diferenças salariais de um analista que tem curso superior completo e outro que está cursando. Se você for atrás de uma pesquisa salarial tradicional, não haverá forma de obter essa informação. Pois todos estarão no mesmo “saco de gatos”. Mas se você tem os salários de todos os profissionais e sabe se estão formados ou não, fica fácil calcular em separado os valores para cada grupo.

É por isso que criamos o Mercadômetro, para ajudar os profissionais de RH a tomar decisões precisas baseadas no perfil exato da sua empresa, considerando região, porte e ramo de atuação. E também no perfil do profissional comparado, considerando, idade, tempo de empresa, escolaridade e sexo, entre outras características.

Para fazer a Pesquisa Salarial do Mercadômetro é muito fácil: você precisa apenas informar quais cargos deseja pesquisar, indicar quais os municípios e as empresas com as quais deseja se comparar e pronto! Em até 20 dias você recebe uma pesquisa salarial que contempla todos os trabalhadores envolvidos nesse recorte do mercado de trabalho.

Agora que você sabe como fazer uma pesquisa salarial, conheça mais sobre as nossas soluções em www.mercadometro.com.br

A Startup que está revolucionando a Pesquisa Salarial